Deprecated: Function mysql_numrows() is deprecated in /home/equoc/public_html/caes.php on line 11
Equocenter - Centro de atividades especiais
 

“A interação entre crianças e animais é inata, pois não exige uma interação
verbal, os gestos, a curiosidade de um sobre o outro, o afago, enfim, o
contato de um com o outro tem um significado além das palavras.”

Jerson Dotti, 2005.

 

Datam de muito tempo as relações entre o homem e os animais por ele domesticados. A domesticação de animais começou na Ásia, há cinco mil anos, quando os mesmos serviam aos homens como fonte de alimento ou trabalho.

A relação entre os homens e os cães foi se estreitando, de modo que foram se construindo laços de extrema afetividade entre eles.

Um cão tem a capacidade de amar o que somos, amar nossa alma. Você pode ser um anão, um deficiente, um hexacampeão de Fórmula 1 (aliás, o Schumacher adotou um vira-lata brasileiro, que encontrou vagando pelo autódromo de Interlagos); se você tiver um cão, pode estar certo: ele amará você. Para um cão, não importa se você é uma freira, uma prostituta, o presidente do país ou um mendigo. Ele também não está interessado na sua profissão, na sua cor, nas suas preferências sexuais, se você é carteiro, bombeiro, médico, lixeiro, entregador de pizza, empresário.

Amamos um cão porque somos amados

Tais relações são um reflexo da modernização das cidades e da individualização cada vez maior da cultura na sociedade ocidental. Isto porque a sociedade moderna tem como características a solidão e o isolamento, e o cão, de alguma forma, contribui minimizando estes sentimentos.

A partir desta harmoniosa relação foi possível obter efeitos benéficos da interação entre os homens e os animais; em especial o cão. Entre esses benefícios estão: aumento da socialização, diminuição da ansiedade, estresse e solidão, estímulo emocional, sensação de conforto e bem-estar, troca de afeto, entre outros. O objetivo desse estudo foi conhecer, mais profundamente, a Terapia Assistida por Cães a crianças hospitalizadas, seus benefícios e suas dificuldades no meio hospitalar O homem sempre dividiu seu espaço com diferentes animais que se tornaram bichinhos de estimação. Sejam eles gatos, cachorros, pássaros, peixe, tartaruga ou outro animal qualquer, a convivência com eles foi sempre prazerosa.

Ter um bichinho significa cuidar bem dele, e este cuidar desperta tanto na criança quanto no adulto um amor incondicional.

Há muitos anos que a medicina vem incentivando o ter um animal de estimação como fonte de tratamento para doenças graves. Esta prescrição é resultado de experimentos realizados com a ida destes animais a hospitais, asilos ou mesmo na casa do paciente.

Cada vez mais esta terapia está sendo adotada e sempre colhe bons resultados. É a chamada Pet Terapia onde animais, normalmente cães, são levados a hospitais e lá ficam por um tempo, brincando, dando e recebendo carinho dos pacientes. Há registros de que o convívio com estes animais ajuda a diminuir o stress, a pressão arterial e promove uma redução significativa de problemas cardiovasculares além de deixar, principalmente as crianças, menos agitadas.

Isto porque a alegria aumenta a quantidade de endorfina no organismo e esta substância é o chamado “calmante natural” que também influencia no sistema imunológico deixando o paciente mais forte e resistente apresentando uma melhor resposta na sua recuperação.